Arquivo da categoria: Falecimento de Seu Teodoro

Missa de um mês de falecimento de Seu Teodoro Freire

Padrão

Foto de Daiane Souza- agência UnB

A missa de um mês de falecimento de Seu  Teodoro Freire, que será realizada na quarta-feira (15/02), às 19h30,na Igreja Bom Jesus dos Migrantes (Quadra 04, Sobradinho-DF, como referência, está próxima àa 13ª Delegacia de Polícia de Sobradinho). Estão todos convidados.

 

Seu Teodoro recebe homenagem póstuma da Acadêmicos da Asa Norte

Padrão

Da UnB Agência

CULTURA – 23/01/2012

Luiz Filipe Barcelos/UnB Agência

Diretoria da escola de samba faz discurso para lembrar trajetória do mestre maranhense durante ensaio da bateria
Thais Antonio – Da Secretaria de Comunicação da UnB

A um mês do carnaval, a quadra da Acadêmicos da Asa Norte (ARC), escola que vai lembrar na avenida a história dos 50 anos da UnB, parou para homenagear o bumba-meu-boi. No ensaio da última sexta-feira 20, durante cinco minutos a bateria da escola de samba se calou para ouvir um discurso em tributo a Seu Teodoro, baluarte da cultura do Distrito Federal e da Universidade de Brasília, que morreu em 15 de janeiro.

O texto lido pelo secretário-geral da agremiação, José Roberto Amaral,  lembrou da contribuição do maranhense para a cultura popular nordestina com o bumba-meu-boi, que Seu Teodoro imortalizou no DF. O mestre foi muito elogiado por personalidades presentes no ensaio.

Seu Teodoro marcou a cultura da capital com danças e cantigas do bumba-meu-boi e do tambor de crioula. Foi fundador do Centro de Tradições Populares de Brasília e, ao longo de sua trajetória, ajudou a consolidar espaços de difusão artística que o fizeram ser reconhecido como patrono das tradições populares. “Se não bastasse toda essa história, para nós da Acadêmicos da Asa Norte o carinho e a lembrança são ainda maior. Mestre Teodoro foi o pai da querida Jamelinha da Mangueira, amiga e compositora do samba enredo que a Asa Norte defendeu na avenida no ano passado”, lembrou Amaral.

“Vai em paz Mestre Teodoro. Continua sua sina e vai fazer cultura junto aos anjos no céu. É com esse carinho e reconhecimento que a Acadêmicos da Asa Norte se despede desse bravo”, declarou. O secretário da escola ressaltou ainda a tristeza da perda compensada pela alegria dos muitos anos em companhia do mestre.

A homenagem a Seu Teodoro ocorreu junto à entrega do 1º Prêmio de Cidadão Cultura Popular de Brasília ao empresário Jorge Ferreira, dono de bares e restaurantes da cidade. O ensaio de sexta-feira contou com a presença do governador do DF, Agnelo Queiroz, do secretário de Cultura do DF, Hamilton Pereira, e do reitor da Universidade de Brasília, José Geraldo de Sousa Junior.

“Seu Teodoro é uma grande resistência na defesa da cultura popular e um símbolo da história da cultura do Distrito Federal”, disse o governador. “Foi um grande lutador, uma perda para cidade. Acho bacana que a escola faça essa homenagem”. Agnelo elogiou ainda a escolha do tema com o qual a escola vai desfilar no próximo carnaval. “É o reconhecimento dessa universidade que tem muita história de lutas tanto pela democracia quanto pelo desenvolvimento do país. São os acadêmicos da UnB recebendo uma homenagem dos acadêmicos da Asa Norte”.

Luiz Filipe Barcelos//UnB Agência
Presidente da ARC, Robson Farias, governador Agnelo Queiroz, reitor José Geraldo e primeira-dama do DF, Ilza Queiroz

Para o reitor, o tributo ao mestre Teodoro foi o coroamento de uma noite dedicada ao reconhecimento das expressões culturais da cidade. “Foi altamente significativo o registro e o reconhecimento da contribuição de Seu Teodoro na valorização da cultura tradicional que ele promovia”, disse José Geraldo. “O discurso de homenagem teve uma alta significação exatamente porque a UnB celebra seu cinquentenário e Seu Teodoro é uma das expressões fortes da identidade da UnB no momento dessa celebração”.

Da Fundação Cultural Palmares: “Mestre Teodoro: DF perde sua maior referência em cultura popular”

Padrão

Mestre Teodoro: DF perde sua maior referência em cultura popular

segunda-feira, 16 / janeiro / 2012 by Daiane Souza

Por Daiane Souza

Faleceu na madrugada do último domingo (15), o mestre referência em cultura popular Teodoro Freire, conhecido como Seu Teodoro. Aos 91 anos, o responsável por garantir o título de patrimônio imaterial ao Bumba-meu-Boi do Distrito Federal (DF) sofria de enfisema pulmonar. O velório ocorreu às 11 horas desta segunda-feira (16), no Centro de Tradições Populares, em Sobradinho. O corpo será cremado em Valparaíso de Goiás.

O presidente da Fundação Cultural Palmares, Eloi Ferreira de Araujo lamentou a perda. “É uma ausência muito grande para a cultura tradicional afro-brasileira”, disse. “Ele deixa como legado para as próximas gerações a responsabilidade de proteger as manifestações da identidade nacional”, afirmou destacando que as contribuições de Seu Teodoro tiveram papel importante para a auto-estima e valorização da população negra.

Encantador do Boi – Nascido no município maranhense de São Vicente Ferrer, a 280 km de São Luís (MA), aos oito anos, Teodoro tornou-se amante da cultura popular, a qual dedicou sua vida. Conheceu o Planalto Central por meio de um convite para se apresentar no primeiro aniversário da capital federal. Encantado com a cidade recém-construída, retornou em 1962 carregado de saberes e entusiasmo, apto a difundir as manifestações culturais de seu estado natal.

Precursor da combinação de sons e ritmos no DF, apesar de ter o Bumba-meu-Boi como referência, Seu Teodoro foi responsável por apresentar aos brasilienses, o Tambor-de-Crioula, uma dança de origem africana, praticada por afrodescendentes. Por onde passava mencionava sempre suas três grandes paixões: o Bumba-meu-Boi, o Flamengo e a escola de samba Mangueira.

Legado – Em Sobradinho, Seu Teodoro criou o Centro de Tradições Populares com o intuito de preservar as principais manifestações do folclore brasileiro. “As gerações mais jovens precisam conhecer a tradição do boi e as festas que marcam a nossa cultura”, defendia. Mas, o trabalho iniciado pelo mestre Encantador do Boi não será interrompido. Seu filho caçula, Guarapiranga, dará continuidade às atividades.

O Centro de Tradições Populares que na década de 1960 era bem simples, com paredes feitas de taipa, chão de terra batida e teto de palha, hoje tem boa estrutura. O espaço abriga os ensaios de aproximadamente 75 integrantes nas danças do Bumba-meu-Boi, de Tambor-de-Crioula e as preparações para as tradicionais festas de São Sebastião, São Lázaro e da Matança do Boi (essa há 49 anos).

Reconhecimento – Ainda em vida, Seu Teodoro recebeu das mãos do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Ordem do Mérito Cultural que o tornou referência de cultura popular da capital. Ele também teve seu trabalho reconhecido como patrimônio imaterial do Distrito Federal, em 2006.

Vai-se Seu Teodoro, mas fica o legado da cultura popular

Padrão

Por José Carlos Barroso


Fonte: Zecablog – http://zecabarroso.blogspot.com

Foto: Divulgação

Morreu na madrugada do último domingo o maranhense Teodoro Freire (acima, nesta bela foto de Josemar Gonçalves), o Seu Teodoro de Sobradinho, cidade-satélite de Brasília, que trouxe para o Distrito Federal, junto com a família, o Bumba-meu-boi, bem no início dos anos 60. Morre Seu Teodoro, mas a dança folclórica com a qual ele viveu e conviveu, desde criança, continuará viva e ajudará a imortalizar sua alma.

Seu Teodoro nasceu na pequena cidade de São Vicente de Férrea, interior do Maranhão, no ano de 1920. Aos oito anos de idade já participava do folclore nordestino, contrariando a mãe, que temia pelas brigas muito comuns nessas festas. De lá pra cá, Seu Teodoro dedicou toda a sua vida a valorizar, preservar e eternizar o Bumba-meu-boi. Veio para Brasília em 1961, para o primeiro aniversário da cidade, e trouxe a dança. No ano seguinte, mudou-se para a capital com a família.

Em 1963, com ajuda dos amigos, começou a funcionar o Centro de Tradições Populares, ainda um barracão de taipa, mas cheio de vida e de sonhos. Graças à sua luta, o CTP hoje é de alvenaria e tem uma boa estrutura para apresentação do projeto do boi. Trabalhou a vida inteira na Universidade de Brasília, onde era respeitado e admirado por estudantes, professores e pesquisadores.

Sobre Brasília, disse certa vez: “Gosto daqui. Podemos divulgar a cultura num lugar onde tudo é voltado para a política e faltam manifestações artísticas”. Faltavam até Seu Teodoro dar o pontapé inicial. Como já escrevi neste blog (para ler clique aqui), Brasília hoje é uma cidade moderna cercada de manifestações culturais, que preservam as tradições e o gosto popular.

Seu Teodoro tinha três grandes paixões na vida: o Bumba-meu-boi (na cultura), o Flamengo (no esporte) e a Mangueira (no Carnaval). Recebeu a Ordem do Mérito Cultural das mãos do presidente Lula e do ministro da Cultura, o cantor e compositor Gilberto Gil.

Em novembro do ano passado (foto acima), durante as comemorações dos 91 anos de idade, participou das festividades, ao lado da mulher Maria Sena; tocou matraca (instrumento de percussão feito de madeira), entre abraços, elogios, presentes e fotos. Já sofria com o enfisema pulmonar, que o obrigava a andar com um balão de oxigênio. Na madrugada deste domingo, internado no Hospital Santa Helena, o coração não resistiu a tantos esforços. E parou.

A batida dos tambores do maranhão e o pulsar dos corações de centenas de amigos e admiradores que frequentam o Centro de Tradições Populares, no entanto, continuarão a bater firme e forte, no mesmo compasso deixado por esse homem simples, humilde e talentoso. Graças a pessoas como Seu Teodoro, a cultura popular continua viva e latente. Não morre nunca.